Síndrome de Burnout: o que é e como evitar

Após um dia cansativo de trabalho, você sente um esgotamento físico e mental? Está constantemente com a sensação de incapacidade? É difícil desvincular seus pensamentos do trabalho mesmo após o fim de sua carga horária? Ou você sente tensão e cansaço constantemente?

Se para alguma dessas perguntas sua resposta foi sim, é melhor prestar atenção! Estes são alguns dos sintomas da Síndrome de Burnout.

O que é Síndrome de Burnout?

Essa síndrome caracteriza-se pelo esgotamento profissional por estresse acumulado. É um distúrbio marcado pelo estado de tensão emocional e estresse provocados por condições de trabalho desgastantes. Ela é o resultado do acúmulo excessivo de estresse e de trabalho sob pressão.

A Síndrome de Burnout foi descrita no ano de 1974 por um psicólogo americano chamado Herbert J. Freudenberger, escritor de livros sobre o assunto. Já tratando do distúrbio no cenário contemporâneo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu a Síndrome de Burnout na lista da 11ª Revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-11), que entrará em vigor logo mais, em janeiro de 2022, sob ordem de um  “fenômeno ocupacional”.

Ainda falando sobre a Organização Mundial da Saúde; segundo ela, o que caracteriza um trabalho saudável é a relação colaborador/a e colaboração. Ou seja, quando as pressões sobre os/as colaboradores/as são adequadas às suas habilidades e recursos.

Entretanto, a realidade não tem sido nada condizente com a utopia da OMS. Segundo estudos, o The American Institute of Stress (AIS) mostra que o trabalho vem sendo a principal causa de estresse em adultos e tem aumentado gradativamente ao longo do tempo.

Saiba mais sobre os principais sintomas da Síndrome de Burnout

Os sintomas da Síndrome de Burnout não são tão explícitos e precisos quanto os de doenças mais tradicionais, por isso é necessário ter atenção. Os sinais incluem:

  • cansaço mental e físico em níveis excessivos;
  • dificuldades para pegar no sono e se concentrar;
  • perda de apetite;
  • irritabilidade e agressividade;
  • baixa autoestima;
  • desânimo;
  • dores de cabeça e no corpo;
  • sensação de derrota constantemente;
  • isolamento social;
  • tristeza;
  • apatia.

Além desses sintomas, existem alguns sinais comportamentais que também podem indicar Síndrome de Burnout. São eles:

  • necessidade de demonstrar seu próprio valor constantemente;
  • incapacidade de se desligar de questões relacionadas ao trabalho;
  • negação de suas necessidades e fuga de conflitos;
  • negação dos problemas;
  • distanciamento da vida social;
  • mudanças de comportamento.

Já na saúde física, todo esse esgotamento mental pode acarretar em problemas sérios, como causar úlceras, diabetes, aumento no colesterol, entre outros problemas de saúde.

Ademais, outros sintomas físicos também podem agravar o quadro, como dor de cabeça, na nuca, no estômago, problemas de pele, infecções urinárias e baixa imunidade.

Uma vez apresentado esse quadro, é indicado a procura de profissionais de psicologia, que serão capazes de fazer o diagnóstico e dar a melhor orientação. Além disso, o diagnóstico é, em linhas gerais, clínico, e leva muito em consideração respostas psicométricas.

Recebi o diagnóstico da Síndrome de Burnout: e agora?

Como já foi dito, a Síndrome de Burnout é um distúrbio que trará muitas sequelas para seu comportamento no dia a dia e tal qual no modo de vida. Por isso, é de suma importância dedicar-se ao tratamento. 

Uma vez recebido o diagnóstico, normalmente, é dada a entrada com o uso de remédios e alguns medicamentos fitoterápicos visando tratar os sintomas, muito além apenas dos comportamentais.

É imprescindível que a pessoa com a Síndrome de Burnout faça acompanhamento com psicólogo, terapia e não deixe de se tratar em nenhum momento. Buscar ajuda é um grande e importante passo. 

Além dos medicamentos, existem também algumas práticas que, uma vez incluídas na rotina, serão de grande ajuda para o processo de recuperação. Praticar atividades físicas e exercícios de relaxamento regularmente são grandes exemplos.

Além disso, é indicado sempre conversar sobre a situação que está passando, e não só com os profissionais de modo mecânico. É importante conversar também com amigos e familiares em forma de desabafo e em busca de acolhimento. Fará muito bem para uma pessoa em fase de tratamento de Burnout.

As relações de trabalho e a Síndrome de Burnout

Agora que você já sabe tudo sobre a Síndrome de Burnout, como sintomas e tratamento, é importante estabelecer algumas atitudes simples por parte de colaboradores e empresa, que podem melhorar o ambiente de trabalho.

Bem-estar dos colaboradores

A empresa está no topo da pirâmide de relações trabalhistas. Por isso, há muito que pode ser feito, visando o bem-estar de todos que trabalham no local.

Os programas de gestão de saúde são um excelente jeito de estar presente na saúde física e principalmente mental de todo mundo. Por meio desses programas, a preocupação com os colaboradores é demonstrada e isso, com certeza, interfere na produtividade.

Há também a questão de controle de fluxos de trabalho. Especialistas de Recursos Humanos (RH) podem facilmente instalar softwares que ajudarão a controlar os fluxos de produtividade, evitando trabalho fora de expediente.

Papel do/a colaborador/a

Já no papel de pessoa empregada, também há pequenas práticas que podem ser aplicadas no contexto do trabalho que ajudarão muito. Já entendemos que trabalhar desenfreadamente causará o esgotamento mental. Então, de antemão, abra mão da busca pela produtividade a qualquer custo.

Não deixe de fazer pausas durante o trabalho e defina limites saudáveis, uma maneira de gerenciar as expectativas sobre o trabalhado e evitar a sobrecarga.

Para isso, é imprescindível saber dizer “não”, entender seus limites. Não podemos esquecer de que a relação com os superiores é fundamental. Tente ter sempre um canal de comunicação que funcione muito bem com a sua liderança, buscando sempre o melhor para as duas partes.

Como vimos, a Síndrome de Burnout é séria e exige atenção. Seguir as recomendações médicas após o diagnóstico é fundamental para lvevar uma vida mais leve e equilibrada.

Gostou das informações deste post? Aproveite a visita em nosso blog e veja também dicas para evitar o cansaço mental e aumentar a produtividade em 2021!

twitterfacebooklinkedinyoutube-playinstagram