Kotlin: conheça a linguagem de programação multiplataforma

De tempos em tempos, nós, desenvolvedores/as e profissionais digitais, somos surpreendidos/as com alguma novidade ou tendência que realmente agrega valor aos nossos projetos. Uma delas é a Linguagem Kotlin, uma linguagem de programação multiplataforma que vem ganhando cada vez mais espaço.

Não quero dizer que a linguagem Kotlin seja um lançamento super atual, longe disso. Na verdade, a Kotlin foi introduzida no mercado em 2011, pela JetBrains, mas agora ela vem aparecendo com mais força entre as linguagens de programação

Para falar sobre a linguagem Kotlin de uma maneira bem didática, é importante avançar no tópico por etapas, começando pela pergunta básica e indispensável: o que é a linguagem Kotlin? Vamos lá?

O que é linguagem Kotlin?

A linguagem Kotlin é uma linguagem de programação multiplataforma que foi desenvolvida pela JetBrains. Ela foi criada para uso geral e é de tipagem estática, que serviu para a formação de IDEs de classe mundial como Appcode, PhpStorm e IntelliJ IDEA.

Em 2011, a JetBrains apresentou a linguagem Kotlin como uma ferramenta para JVM (Java Virtual Machine) e Android. Os recursos dessa linguagem de programação são funcionais e orientados a objetos.

Como já falei, ela é esteticamente tipada, mas faltou dizer que ela é de código aberto. Tendo se tornado open source em 2021, a linguagem Kotlin está em pleno desenvolvimento.

Entre as novidades estão as versões para vários processadores usando código nativo através de LLVM e modelos para JavaScript ES5.1. O que eu quero deixar claro é que as tecnologias vinculadas a essa linguagem de programação ainda estão sendo desenvolvidas. 

Para você ficar por dentro, a JetBrains investe pesado na linguagem Kotlin, com quase 100 pessoas trabalhando na equipe em sistema full-time. Além disso, cerca de 300 colaboradores estão envolvidos no projeto de linguagem Kotlin no GitHub (é bastante gente!).

O principal produto da JetBrains que tem a linguagem Kotlin é o IntelliJ IDEA, um ambiente para desenvolvimento integrado de softwares. 

Como aprender a linguagem Kotlin

Uma das principais buscas que programadores/as e desenvolvedores/as fazem quando querem aprender uma linguagem é encontrar uma opção mais fácil, prática e usual do que Java.

Você vai encontrar muitos/as profissionais fazendo comparações pertinentes entre a linguagem Kotlin e a linguagem Java. 

Outra razão que tem levado ao aumento da procura pelo aprendizado da linguagem Kotlin é que, em 2017, ela foi oficialmente anunciada pelo Google como um código para desenvolvimento Android e, assim, passou a ser patrocinada pela empresa.

Só esses dois motivos já são mais do que suficientes para que desenvolvedores/as conectados/as com o que está acontecendo no mercado digital se atualizem para dominar a linguagem Kotlin.

Atualmente, as pessoas que mais procuram conhecimento sobre essa linguagem estão interessadas em desenvolvimento para Android, pelo menos é o que observamos na prática, conversando com desenvolvedores/as e programadores/as ou preparando profissionais digitais e treinando times para empresas e startups. 

A popularidade da linguagem Kotlin está alta justamente por causa dos aplicativos para Android. Ou seja, se você quer atuar no desenvolvimento de aplicações para Android e não está a fim de trabalhar com Java, a Kotlin pode ser uma excelente solução! 

Notamos também que as oportunidades no mercado de trabalho cresceram muito para aqueles/as que estão dominando a linguagem Kotlin.

Na prática, você vai poder usar a Kotlin com estruturas populares e bibliotecas como VueJS e React. Isso fará parte do seu aprendizado.

Os subprojetos mais populares são os seguintes:

Kotlin/Native: usado para desenvolvimento de plataformas em quaisquer dispositivos, inclusive iOS.

Kotlin/JS: serve para aplicativos que são transpilados para JavaScript.

Kotlin/JVM: serve para apps Android, apps de desktop, serviço Spring e outros apps JVM transpilando para Java.

Ao aprender a linguagem Kotlin, você vai perceber que existem algumas falhas ou inoperâncias no Java, principalmente quando estiver mais próximo de recursos que linguagens de programação modernas e atuais apresentam, como Rust, Go, Scala ou TypeScript.

Para aprender, o primeiro passo é entender a linguagem e a sintaxe da Kotlin. Para manter a legibilidade, a sugestão é conhecer recursos como funções infixas, classes de dados e inferências de tipo.

A segurança é essencial para quem quer aprender a linguagem Kotlin, e existem muitas maneiras de manter as boas práticas, entre elas recursos para projetar para herança e formas de evitar nulidades.

Para fortalecer seu aprendizado de linguagem Kotlin, por causa da interoperabilidade com Java, é muito importante se dedicar para conhecer melhor os frameworks e bibliotecas das duas linguagens.

Com relação às variáveis, vale a pena se dedicar bastante para entender as variáveis mutáveis e as variáveis de leitura – e como elas são declaradas com o uso do var (key-word).

Por exemplo:

Variáveis mutáveis ficam assim / var number = 20 / 

Variáveis de leitura possuem um L / val number = 38 / 

Essa questão das variáveis é muito importante para você que quer aprender a linguagem Kotlin, pois é no momento da declaração que haverá a diferenciação das variáveis mutáveis daquelas somente de leitura.

Ou seja, você terá que pensar sobre a declaração correta das variáveis desde o começo do código.

As boas práticas da linguagem Kotlin recomendam trabalhar mais com variáveis val do que com var, ou seja, mais variáveis de leitura do que mutáveis. Isso diminui a mutabilidade, bem como melhora o entendimento com o fluxo de dados e o estado do programa de forma geral. 

Passando pelas variáveis, seguem as outras orientações importantíssimas para você dominar a linguagem Kotlin:

  • Tipos de dados básicos, como inteiros e números de ponto flutuante com float, quando é necessário colocar um f no fim, como 20f;
  • Texto, como o uso de string para sequência de textos e char para caracteres únicos que serão armazenados;
  • Para armazenar verdadeiro ou falso, é necessário usar Boolean;
  • Para os números inteiros, você vai usar long, int, shor e byte;
  • É importante saber os tipos de inferências, tanto para literais como para objetos;
  • Como em toda linguagem, na Kotlin será necessário entender a estrutura básica para uso das condições if, ou se;
  • Ainda tem operadores lógicos, operadores de comparação e igualdade, trabalhos com arrays e matrizes.

Dá para ver que a linguagem Kotlin é completa mesmo e, por isso, está super em alta para Android. Se você já é um/a programador/a, sabe que só existe uma maneira de aprender: pensando e escrevendo os códigos!

E se existe outro caminho para aprender uma nova linguagem de programação, durante minha longa trajetória na área de TI e desenvolvimento, eu ainda não descobri! (haha)

Veja as razões para aprender a linguagem Kotlin

O Google deu mais um passo importante no mercado digital e que faz muita diferença para você que está se preparando para aprender a linguagem Kotlin. Em 2019, a empresa anunciou que essa linguagem de programação se tornou sua predileta para o desenvolvimento de aplicativos Android.

Uma das grandes vantagens da linguagem Kotlin é que ela tem 100% de interoperabilidade com Java. Por exemplo: o programa vai funcionar perfeitamente se parte estiver em Java e o restante em Kotlin.

Tem mais: se você usar o tradutor Android Studio é possível converter as linguagens, uma verdadeira moleza.

Quando comparar as linhas de código de Java e Kotlin (falei que essa comparação era inevitável 😉), verá que são necessárias menos linhas de código na linguagem Kotlin para realizar a mesma operação. Os códigos ficam mais sustentáveis, legíveis e reduzidos.

A linguagem Kotlin tem ainda mais vantagens para você que está querendo aprender, como, por exemplo, nenhuma preocupação com NPEs, ótimas ferramentas, recursos de IDE e uma comunidade imensa, onde é possível encontrar muito suporte.

Se você já teve problema com Null Safe em Java, o mesmo não deve acontecer com a Kotlin, já que as NPEs serão capturadas no momento de compilação, justamente porque as variáveis não são anuladas por padrão.

Espero que este conteúdo bem rico sobre a Kotlin tenha sido útil para você e sirva para abrir sua mente para as ótimas possibilidades que o mercado digital está oferecendo para quem domina essa linguagem. Para saber mais, conheça o curso de desenvolvimento da Gama Academy! 

twitterfacebooklinkedinyoutube-playinstagram